549 pessoas morrem no Paquistão após julho mais chuvoso dos últimos 30 anos

Enchentes impactaram principalmente comunidades remotas na província do Baluchistão, uma das áreas mais pobres do país. 549 pessoas morrem no Paquistão após julho mais chuvoso dos últimos 30 anos
No Paquistão, ao menos 549 pessoas morreram no mês passado como resultado das tempestades mais fortes registradas na região nos últimos 30 anos. As chuvas de monções atipicamente fortes causaram enchentes inesperadas e impactaram principalmente comunidades remotas na província do Baluchistão, uma das áreas mais pobres do país (vídeo acima).
A Autoridade Nacional de Gerenciamento de Desastres do Paquistão (NDMA) relatou, nesta sexta-feira (5), que a média de chuvas em julho desta ano foi 133% superior a das últimas três décadas. O Baluchistão, que faz fronteira com o Irã e o Afeganistão, recebeu 305% mais chuva do que a média anual, segundo as autoridades.
Além das mortes, as inundações danificaram mais de 46.200 casas. Agora, agências governamentais e o exército paquistanês montaram acampamentos de ajuda e socorro nas regiões atingidas pelas enchentes e trabalhar para realocar famílias e fornecer alimentos e remédios.
“Estamos fazendo o nosso melhor para fornecer amplo socorro e reabilitação às vítimas das enchentes”, disse o primeiro-ministro, Shehbaz Sharif, durante visita às áreas atingidas. Contudo, o governo provincial do Baluchistão disse que mais recursos são necessários e fez um apelo a organizações internacionais por assistência.
“Nossas perdas são enormes”, afirmou o ministro-chefe da província, Abdul Qudoos Bezenjo. Segundo ele, faltam alimentos em todos os distritos atingidos pelas inundações, com alguns também desconectados do resto da província por conta da destruição de mais de 700 quilômetros de estradas.g1 > MundoRead More

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.