Refugiados sírios são resgatados de pequena ilha sem nome entre a Grécia e a Turquia

Entre eles estava uma mulher grávida e sete crianças. Eles relataram que foram impedidos de sair da ilha por guardas. Autoridades gregas negaram repelir à força refugiados ou migrantes nas fronteiras. Refugiados ficam presos em pequena ilha sem nome entre a Grécia e a Turquia
A polícia grega disse na tarde desta segunda-feira (15) que localizou 38 refugiados sírios na área de Lavara, em Evros, entre eles uma mulher grávida e sete crianças. Uma criança morreu ao ser picada por um escorpião, segundo a imprensa local.
Os refugiados estavam presos há aproximadamente 18 dias em uma pequena ilhota no rio Evros, ao longo da fronteira entre a Grécia e a Turquia, de acordo com relatos da mídia e ativistas. Uma das refugiadas, Baida, tinha um telefone e conseguiu entrar em contato com uma repórter do Channel 4 do Reino Unido, para quem relatou a situação e enviou vídeos do grupo na sexta-feira (12). (Veja acima)
Segundo relatos ouvidos pela mídia local, duas pessoas morreram afogadas ao tentar sair da ilha e terem sido impedidas por guardas. Outros mostram no vídeo marcas de agressão que sofreram ao tentar entrar em território grego.
A Grécia havia dito no domingo que, após repetidas buscas, não havia localizado nenhuma pessoa na ilhota e havia alertado as autoridades da Turquia que eles estariam em território turco. O Ministério do Interior turco se recusou a comentar.
Na segunda-feira, a polícia grega disse que os refugiados foram localizados na área de Lavara, que é da Grécia, a aproximadamente 4 quilômetros ao sul das coordenadas de sua posição inicialmente relatada. A polícia também encontrou um barco perto deles.
“Assim que foram localizados, as forças policiais gregas e outros serviços do governo correram em seu auxílio, para fornecer cuidados de saúde, comida e água e transferi-los para um alojamento temporário”, disse a polícia em um comunicado.
O ministro grego da Migração, Notis Mitarachi, disse no Twitter que eles estavam em boas condições e que a gestante estava sendo transferida para um hospital por precaução.
O Comitê Internacional de Resgate, uma instituição de caridade, e outras organizações haviam solicitado mais cedo o resgate imediato dos refugiados.
“Esta última situação na fronteira de Evros destaca a brutalidade dos retrocessos que sabemos que estão ocorrendo em diversas fronteiras pela Europa”, disse Dimitra Kalogeropoulou, diretora do Comitê Internacional de Resgate da Grécia.
As autoridades gregas não confirmaram as informações citadas pelo Comitê e negaram repelir à força refugiados ou migrantes nas fronteiras.
Foto feita por Baida, uma das refugiadas, mostra o grupo sírio preso na pequena ilha sem nome na fronteira entre Grécia e Turquia
Baida/Reproduçãog1 > MundoRead More

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.