RÁDIO BPA

TV BPA

Juro bancário médio sobe para 36,3% ao ano em fevereiro, maior taxa em dois anos e meio

Informações foram divulgadas pelo Banco Central. Concessões de empréstimos avançam em janeiro deste ano; inadimplência e endividamento também crescem. O Banco Central (BC) informou nesta quinta-feira (28) que o juro bancário médio com recursos livres de pessoas físicas e empresas chegou a 36,3% ao ano em fevereiro.
Segundo a instituição, essa é a maior taxa desde agosto de 2019, quando somou 37,1% ao ano. Com isso, é a maior taxa em de dois anos e meio.
O juro bancário médio com recursos livres não inclui os setores habitacional, rural e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Após registrar o maior crescimento em seis anos em 2021, o juro bancário médio fechou o ano passado em 33,9% ao ano.
A alta dos juros bancários médios é reflexo, entre outros fatores, do aumento da Selic, a taxa básica de juros da economia definida pelo Banco Central.
A Selic passou de 2% ao ano, em janeiro de 2021, para 11,75% ao ano, em março deste ano. Com esse aumento, o objetivo do Banco Central é tentar conter as pressões inflacionárias e também o spread bancário, que inclui a margem de lucro das instituições financeiras.
Pessoas físicas e jurídicas
De acordo com o Banco Central, a taxa média de juros cobrada nas operações com empresas subiu de 21,4% ao ano,. em janeiro, para 21,5% ao ano, em fevereiro. É a maior taxa desde fevereiro de 2018 (22,2% ao ano).
Já nas operações com pessoas físicas, os juros subiram de 46,3% ao ano, em janeiro, para 48,1% ao ano, em fevereiro, maior nível desde novembro de 2019 (49% ao ano).
Cheque especial e cartão
No cheque especial das pessoas físicas, a taxa subiu de 125,7% ao ano, em janeiro, para 132,6% ao ano, em fevereiro. É a maior taxa desde janeiro de 2020, quando somou 140,8% ao ano.
Já nas operações com cartão de crédito rotativo, os juros bancários cobrados das pessoas físicas subiram de 346,3% ao ano, em janeiro, para 355,2% ao ano, em fevereiro de 2021. Essa é a maior taxa desde novembro de 2017 (359,2% ao ano).
O crédito rotativo do cartão de crédito, cuja demanda em 2021 foi a maior em dez anos, pode ser acionado por quem não pode pagar o valor total da fatura na data do vencimento, mas não quer ficar inadimplente.
Essa é a linha de crédito mais cara do mercado e, segundo analistas, deve ser evitada. A recomendação é que os clientes bancários paguem todo o valor da fatura mensalmente.g1 > EconomiaRead More

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *