RÁDIO BPA

TV BPA

A Europa deve parar de financiar os crimes de guerra de Vladimir Putin na Ucrânia

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site do think tank Atlantic Council

Por Basil Kalymon

Enquanto a guerra está acontecendo na Ucrânia, os países da União Europeia (UE) continuam a enviar cerca de um bilhão de euros todos os dias para a Rússia em pagamento pelas importações de petróleo e gás. Este dinheiro europeu é a força vital da máquina de guerra de Vladimir Putin.

Cerca de 60% das exportações russas de petróleo e 75% das exportações russas de gás vão atualmente para a Europa, de acordo com a Energy Facts IEA. As receitas do petróleo e do gás são fundamentais para a continuação do esforço de guerra russo e constituem um número estimado em 45% do orçamento do Estado. Sem esse financiamento, a economia russa entraria em colapso, e a capacidade de Putin de continuar a invasão da Ucrânia seria drasticamente reduzida.

Infelizmente, a UE até agora resistiu aos apelos para proibir as importações russas de petróleo e gás. Autoridades da UE não chegaram a um embargo de energia, apesar da indignação generalizada com a invasão ilegal de Putin e as crescentes evidências de crimes de guerra russos contra civis ucranianos.

Essa relutância reflete a escala da dependência europeia da energia russa. A Europa depende da Rússia para cerca de 20% de seu petróleo e 32% do total de entregas de gás. Uma das economias mais expostas é a Alemanha, com dependência pré-guerra do gás russo de cerca de 55%.

Tanques russos em Belarus: gás e petróleo financiam a máquina de guerra (Foto: Twitter/Reprodução)

De acordo com um estudo recente da Goldman Sacks, uma proibição completa das importações de gás russo para a UE até o final de 2022 resultaria em uma desaceleração de 2,2% no crescimento econômico na zona do euro e uma queda de 3,4% na Alemanha. Embora esses números não sejam insignificantes, a Europa pode afirmar seriamente que não pode arcar com um esforço de guerra para deter Putin?

A cautela econômica da Europa parece particularmente difícil de justificar quando vista da Ucrânia, que está experimentando a destruição sistemática de sua economia e infraestrutura nacional como parte do esforço de guerra da Rússia. Segundo o Banco Mundial, a economia da Ucrânia contrairá 45% em 2022.

Embora uma proibição imediata das importações de petróleo russo tenha consequências negativas para as economias da UE, é tecnicamente possível. O mercado internacional de petróleo é enorme e suprimentos alternativos podem ser obtidos com relativa rapidez. É claro que o aumento dos preços do petróleo bruto precisaria ser absorvido, embora os produtores da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) tenham excesso de capacidade e um incentivo para evitar um mercado caótico.

Os aumentos nos preços do petróleo teriam um impacto imediato, reduzindo a demanda de petróleo da UE e global. Ao mesmo tempo, preços mais altos incentivariam o aumento da produção de várias fontes marginais, especialmente nos EUA. A Rússia pode encontrar alguns outros compradores, mas provavelmente a preços e volumes reduzidos. Os ajustes no padrão comercial da Rússia exigiriam tempo e seriam prejudicados pelas muitas sanções que já foram impostas pelos EUA e outros países.

Uma paralisação imediata das importações de gás russo representa um desafio maior, pois a UE é altamente dependente de entregas de gasodutos e carece de capacidade de reposição suficiente em termos de terminais de GNL (gás natural liquefeito). Medidas de curto prazo podem incluir uma redução do gás natural armazenado.

Existe alguma capacidade para um aumento de GNL do extenso mercado internacional. Em particular, os EUA estão trabalhando para aumentar a disponibilidade de GNL para exportação. A UE também seria capaz de competir por suprimentos marginais de outras fontes importantes, como o Catar.

Dentro da UE, os sistemas de geração de eletricidade se beneficiariam de uma maior integração através das fronteiras nacionais, juntamente com a exploração de capacidade alternativa em usinas nucleares e a carvão. Outras medidas semelhantes podem reduzir o uso de gás natural nos países mais impactados. Mais uma vez, os preços do gás natural aumentariam, resultando em uma redução na demanda geral, principalmente em aplicações não essenciais.

A longo prazo, as necessidades energéticas da UE podem ser satisfeitas através da alteração das suas políticas energéticas. A UE já tomou medidas para desenvolver uma política energética que reduzirá a dependência do abastecimento russo. Um foco maior na geração de eletricidade nuclear foi proposto pela França e pelo Reino Unido. Em resposta à atual crise de segurança, a Alemanha poderia adiar o desligamento programado de suas usinas nucleares.

Berlim já planeja construir uma maior capacidade nos terminais de GNL. Isso poderia ser replicado em outros países. Os depósitos de gás de xisto da Europa também poderiam ser explorados. Em última análise, os desenvolvimentos tecnológicos podem liberar mais potencial para fontes renováveis ​​e hidrogênio.

Os apelos internacionais para uma postura europeia mais dura estão crescendo. O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky defendeu fortemente o fim imediato das importações de energia da Rússia pela UE. Enquanto isso, especialistas russos, como o ex-conselheiro econômico do Kremlin Andrey Illarionov, indicaram que um embargo ao petróleo e gás russos provavelmente forçaria a Rússia a encerrar sua guerra contra a Ucrânia dentro de meses.

A recusa da UE em proibir as importações de energia russas é o equivalente moderno do comércio com a Alemanha nazista, enquanto as forças de Hitler invadem os países vizinhos e cometem genocídio. É moralmente indefensável e estrategicamente míope. A menos que Putin seja detido, o problema da Ucrânia logo se tornará o problema da Europa.

Um embargo ao petróleo e gás russos resultaria em custos significativos que seriam sentidos em toda a Europa. No entanto, os danos infligidos à economia russa seriam muito maiores e poderiam conseguir deter o maior conflito europeu desde a Segunda Guerra Mundial. Em um momento em que milhões de vidas ucranianas estão em perigo e a segurança futura de todo o continente está ameaçada, a Europa deve aceitar a dor econômica limitada de uma proibição imediata de energia russa e acabar com o financiamento vergonhoso da guerra de Putin.

O post A Europa deve parar de financiar os crimes de guerra de Vladimir Putin na Ucrânia apareceu primeiro em A Referência.

Read More

A Europa deve parar de financiar os crimes de guerra de Vladimir Putin na Ucrânia

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site do think tank Atlantic Council

Por Basil Kalymon

Enquanto a guerra está acontecendo na Ucrânia, os países da União Europeia (UE) continuam a enviar cerca de um bilhão de euros todos os dias para a Rússia em pagamento pelas importações de petróleo e gás. Este dinheiro europeu é a força vital da máquina de guerra de Vladimir Putin.

Cerca de 60% das exportações russas de petróleo e 75% das exportações russas de gás vão atualmente para a Europa, de acordo com a Energy Facts IEA. As receitas do petróleo e do gás são fundamentais para a continuação do esforço de guerra russo e constituem um número estimado em 45% do orçamento do Estado. Sem esse financiamento, a economia russa entraria em colapso, e a capacidade de Putin de continuar a invasão da Ucrânia seria drasticamente reduzida.

Infelizmente, a UE até agora resistiu aos apelos para proibir as importações russas de petróleo e gás. Autoridades da UE não chegaram a um embargo de energia, apesar da indignação generalizada com a invasão ilegal de Putin e as crescentes evidências de crimes de guerra russos contra civis ucranianos.

Essa relutância reflete a escala da dependência europeia da energia russa. A Europa depende da Rússia para cerca de 20% de seu petróleo e 32% do total de entregas de gás. Uma das economias mais expostas é a Alemanha, com dependência pré-guerra do gás russo de cerca de 55%.

Tanques russos em Belarus: gás e petróleo financiam a máquina de guerra (Foto: Twitter/Reprodução)

De acordo com um estudo recente da Goldman Sacks, uma proibição completa das importações de gás russo para a UE até o final de 2022 resultaria em uma desaceleração de 2,2% no crescimento econômico na zona do euro e uma queda de 3,4% na Alemanha. Embora esses números não sejam insignificantes, a Europa pode afirmar seriamente que não pode arcar com um esforço de guerra para deter Putin?

A cautela econômica da Europa parece particularmente difícil de justificar quando vista da Ucrânia, que está experimentando a destruição sistemática de sua economia e infraestrutura nacional como parte do esforço de guerra da Rússia. Segundo o Banco Mundial, a economia da Ucrânia contrairá 45% em 2022.

Embora uma proibição imediata das importações de petróleo russo tenha consequências negativas para as economias da UE, é tecnicamente possível. O mercado internacional de petróleo é enorme e suprimentos alternativos podem ser obtidos com relativa rapidez. É claro que o aumento dos preços do petróleo bruto precisaria ser absorvido, embora os produtores da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) tenham excesso de capacidade e um incentivo para evitar um mercado caótico.

Os aumentos nos preços do petróleo teriam um impacto imediato, reduzindo a demanda de petróleo da UE e global. Ao mesmo tempo, preços mais altos incentivariam o aumento da produção de várias fontes marginais, especialmente nos EUA. A Rússia pode encontrar alguns outros compradores, mas provavelmente a preços e volumes reduzidos. Os ajustes no padrão comercial da Rússia exigiriam tempo e seriam prejudicados pelas muitas sanções que já foram impostas pelos EUA e outros países.

Uma paralisação imediata das importações de gás russo representa um desafio maior, pois a UE é altamente dependente de entregas de gasodutos e carece de capacidade de reposição suficiente em termos de terminais de GNL (gás natural liquefeito). Medidas de curto prazo podem incluir uma redução do gás natural armazenado.

Existe alguma capacidade para um aumento de GNL do extenso mercado internacional. Em particular, os EUA estão trabalhando para aumentar a disponibilidade de GNL para exportação. A UE também seria capaz de competir por suprimentos marginais de outras fontes importantes, como o Catar.

Dentro da UE, os sistemas de geração de eletricidade se beneficiariam de uma maior integração através das fronteiras nacionais, juntamente com a exploração de capacidade alternativa em usinas nucleares e a carvão. Outras medidas semelhantes podem reduzir o uso de gás natural nos países mais impactados. Mais uma vez, os preços do gás natural aumentariam, resultando em uma redução na demanda geral, principalmente em aplicações não essenciais.

A longo prazo, as necessidades energéticas da UE podem ser satisfeitas através da alteração das suas políticas energéticas. A UE já tomou medidas para desenvolver uma política energética que reduzirá a dependência do abastecimento russo. Um foco maior na geração de eletricidade nuclear foi proposto pela França e pelo Reino Unido. Em resposta à atual crise de segurança, a Alemanha poderia adiar o desligamento programado de suas usinas nucleares.

Berlim já planeja construir uma maior capacidade nos terminais de GNL. Isso poderia ser replicado em outros países. Os depósitos de gás de xisto da Europa também poderiam ser explorados. Em última análise, os desenvolvimentos tecnológicos podem liberar mais potencial para fontes renováveis ​​e hidrogênio.

Os apelos internacionais para uma postura europeia mais dura estão crescendo. O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky defendeu fortemente o fim imediato das importações de energia da Rússia pela UE. Enquanto isso, especialistas russos, como o ex-conselheiro econômico do Kremlin Andrey Illarionov, indicaram que um embargo ao petróleo e gás russos provavelmente forçaria a Rússia a encerrar sua guerra contra a Ucrânia dentro de meses.

A recusa da UE em proibir as importações de energia russas é o equivalente moderno do comércio com a Alemanha nazista, enquanto as forças de Hitler invadem os países vizinhos e cometem genocídio. É moralmente indefensável e estrategicamente míope. A menos que Putin seja detido, o problema da Ucrânia logo se tornará o problema da Europa.

Um embargo ao petróleo e gás russos resultaria em custos significativos que seriam sentidos em toda a Europa. No entanto, os danos infligidos à economia russa seriam muito maiores e poderiam conseguir deter o maior conflito europeu desde a Segunda Guerra Mundial. Em um momento em que milhões de vidas ucranianas estão em perigo e a segurança futura de todo o continente está ameaçada, a Europa deve aceitar a dor econômica limitada de uma proibição imediata de energia russa e acabar com o financiamento vergonhoso da guerra de Putin.

O post A Europa deve parar de financiar os crimes de guerra de Vladimir Putin na Ucrânia apareceu primeiro em A Referência.

Read More

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *