RÁDIO BPA

TV BPA

O xeque-mate de Xi Jinping em Vladimir Putin se aproxima

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site The Hill

Por Diane Francis

A Ucrânia tem as forças armadas do presidente russo Vladimir Putin em fuga e reconquistou terras do tamanho do estado do Maine em questão de dias. Mas um revés mais sério é o distanciamento público da Rússia por seu chamado parceiro “sem limites”, o presidente chinês Xi Jinping. Parece que há limites, e Xi articulou-os antes e depois de uma reunião com Putin no Uzbequistão. Beijing está se distanciando de Moscou enquanto sua guerra contra a Ucrânia vacila.

Putin reconheceu que Xi levantou “preocupações” sobre sua guerra contra a Ucrânia. Ele acrescentou que o Kremlin esclareceria sua posição sobre a Ucrânia, sem dar mais explicações. “Entendemos suas perguntas e preocupações”, disse ele em comentários transmitidos pela televisão estatal russa sobre a reunião, que ocorreu em uma cúpula da Organização de Cooperação de Xangai no Uzbequistão.

Um dia antes de os dois se encontrarem, Xi alertou Putin contra a intromissão no Cazaquistão. Isso foi significativo porque os cazaques estão na mira de Putin desde que seu líder criticou abertamente a guerra na Ucrânia, depois anunciou que as exportações de petróleo do Cazaquistão seriam desviadas para ajudar a Europa. Os russos bloquearam as exportações, então alguns sugeriram que também pode ser invadido.

Presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin, julho de 2018 (Foto: Wikimedia Commons)

Xi prometeu proteger o país em uma reunião privada com líderes que vazou . “Nós [China] apoiaremos resolutamente o Cazaquistão na defesa de sua independência, soberania e integridade territorial”, disse ele. Esta foi claramente uma repreensão preventiva dirigida ao imperialismo de Putin, a fim de distanciar a China da Rússia enquanto sua invasão da Ucrânia vacila.

A China nunca endossou a guerra contra a Ucrânia. O acordo de parceria “sem limites” Putin-Xi de 5,3 mil palavras, tornado público em 4 de fevereiro, não fez menção a uma invasão. Desde então, a China manteve distância e controlou as consequências sem se tornar um pária como a Rússia.

Isso foi feito com diplomacia dúbia. Beijing se recusa a condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia, ou chamá-la de guerra, mas também não revogou as sanções ocidentais contra a Rússia ou forneceu qualquer ajuda militar. A agenda da China visa manter intactas suas relações comerciais com seus maiores clientes, Europa e América, mas também obter energia barata de sua amiga autoritária Rússia.

A parceria tem sido difícil há anos. A China disputa com a Rússia a hegemonia sobre a Ásia Central, com seus vastos recursos e mercados crescentes que atendem a uma população de 72 milhões. Beijing já superou Moscou ao gastar bilhões para construir ferrovias, rodovias e oleodutos através do Cazaquistão e outras nações da Ásia Central para contornar completamente a Rússia. Chamados de Corredor Médio, esses projetos de infraestrutura agora ligam a China diretamente à Europa e ao Oriente Médio, bem como aos recursos e economias do mundo turco. Além de ser um sugar daddy para a região, a China se beneficia do ódio residual na Ásia Central por seus antigos mestres em Moscou.

A dissociação dos europeus e a dissociação da China da Rússia começaram antes mesmo do comentário cazaque de Xi. Para começar, o líder chinês deu outro golpe simbólico contra a Rússia na semana passada, recusando-se a participar da recente conferência de Putin em Vladivostok e sugerindo que eles se encontrassem no Uzbequistão, à margem da cúpula. “Isso indica que Beijing calibra cuidadosamente seu nível de apoio público a Moscou”, comentou um observador irônico.

Eles se encontraram como esperado, posaram para fotos e fizeram um anúncio previsível sobre comércio de energia e cooperação econômica. A realidade é que projetos maciços de comércio de energia foram alardeados anos atrás e em fevereiro, mas não se concretizarão por anos, ou nunca, devido às sanções.

Não há oleodutos ou gasodutos ligando a Rússia à China – um lapso que deveria ter impedido Putin de invadir a Ucrânia e chantagear a Europa. Mas ele simplesmente não conseguia evitar. Agora, a Europa se desvincula de sua dependência do petróleo e gás russos e contrata outras fontes, incluindo o Cazaquistão e o Uzbequistão, graças a oleodutos chineses e melhorias de infraestrutura.

À medida que a guerra da Rússia continua a falhar, Xi recuará ainda mais. Então, se a Rússia desmoronar, a China gradualmente assumirá a Sibéria e quaisquer outras regiões em que deseje construir ferrovias, rodovias ou oleodutos para a prosperidade da Europa e do Ocidente. Xeque-mate para Xi.

Leia mais artigos em A Referência

O post O xeque-mate de Xi Jinping em Vladimir Putin se aproxima apareceu primeiro em A Referência.

Read More

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O xeque-mate de Xi Jinping em Vladimir Putin se aproxima

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site The Hill

Por Diane Francis

A Ucrânia tem as forças armadas do presidente russo Vladimir Putin em fuga e reconquistou terras do tamanho do estado do Maine em questão de dias. Mas um revés mais sério é o distanciamento público da Rússia por seu chamado parceiro “sem limites”, o presidente chinês Xi Jinping. Parece que há limites, e Xi articulou-os antes e depois de uma reunião com Putin no Uzbequistão. Beijing está se distanciando de Moscou enquanto sua guerra contra a Ucrânia vacila.

Putin reconheceu que Xi levantou “preocupações” sobre sua guerra contra a Ucrânia. Ele acrescentou que o Kremlin esclareceria sua posição sobre a Ucrânia, sem dar mais explicações. “Entendemos suas perguntas e preocupações”, disse ele em comentários transmitidos pela televisão estatal russa sobre a reunião, que ocorreu em uma cúpula da Organização de Cooperação de Xangai no Uzbequistão.

Um dia antes de os dois se encontrarem, Xi alertou Putin contra a intromissão no Cazaquistão. Isso foi significativo porque os cazaques estão na mira de Putin desde que seu líder criticou abertamente a guerra na Ucrânia, depois anunciou que as exportações de petróleo do Cazaquistão seriam desviadas para ajudar a Europa. Os russos bloquearam as exportações, então alguns sugeriram que também pode ser invadido.

Presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin, julho de 2018 (Foto: Wikimedia Commons)

Xi prometeu proteger o país em uma reunião privada com líderes que vazou . “Nós [China] apoiaremos resolutamente o Cazaquistão na defesa de sua independência, soberania e integridade territorial”, disse ele. Esta foi claramente uma repreensão preventiva dirigida ao imperialismo de Putin, a fim de distanciar a China da Rússia enquanto sua invasão da Ucrânia vacila.

A China nunca endossou a guerra contra a Ucrânia. O acordo de parceria “sem limites” Putin-Xi de 5,3 mil palavras, tornado público em 4 de fevereiro, não fez menção a uma invasão. Desde então, a China manteve distância e controlou as consequências sem se tornar um pária como a Rússia.

Isso foi feito com diplomacia dúbia. Beijing se recusa a condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia, ou chamá-la de guerra, mas também não revogou as sanções ocidentais contra a Rússia ou forneceu qualquer ajuda militar. A agenda da China visa manter intactas suas relações comerciais com seus maiores clientes, Europa e América, mas também obter energia barata de sua amiga autoritária Rússia.

A parceria tem sido difícil há anos. A China disputa com a Rússia a hegemonia sobre a Ásia Central, com seus vastos recursos e mercados crescentes que atendem a uma população de 72 milhões. Beijing já superou Moscou ao gastar bilhões para construir ferrovias, rodovias e oleodutos através do Cazaquistão e outras nações da Ásia Central para contornar completamente a Rússia. Chamados de Corredor Médio, esses projetos de infraestrutura agora ligam a China diretamente à Europa e ao Oriente Médio, bem como aos recursos e economias do mundo turco. Além de ser um sugar daddy para a região, a China se beneficia do ódio residual na Ásia Central por seus antigos mestres em Moscou.

A dissociação dos europeus e a dissociação da China da Rússia começaram antes mesmo do comentário cazaque de Xi. Para começar, o líder chinês deu outro golpe simbólico contra a Rússia na semana passada, recusando-se a participar da recente conferência de Putin em Vladivostok e sugerindo que eles se encontrassem no Uzbequistão, à margem da cúpula. “Isso indica que Beijing calibra cuidadosamente seu nível de apoio público a Moscou”, comentou um observador irônico.

Eles se encontraram como esperado, posaram para fotos e fizeram um anúncio previsível sobre comércio de energia e cooperação econômica. A realidade é que projetos maciços de comércio de energia foram alardeados anos atrás e em fevereiro, mas não se concretizarão por anos, ou nunca, devido às sanções.

Não há oleodutos ou gasodutos ligando a Rússia à China – um lapso que deveria ter impedido Putin de invadir a Ucrânia e chantagear a Europa. Mas ele simplesmente não conseguia evitar. Agora, a Europa se desvincula de sua dependência do petróleo e gás russos e contrata outras fontes, incluindo o Cazaquistão e o Uzbequistão, graças a oleodutos chineses e melhorias de infraestrutura.

À medida que a guerra da Rússia continua a falhar, Xi recuará ainda mais. Então, se a Rússia desmoronar, a China gradualmente assumirá a Sibéria e quaisquer outras regiões em que deseje construir ferrovias, rodovias ou oleodutos para a prosperidade da Europa e do Ocidente. Xeque-mate para Xi.

Leia mais artigos em A Referência

O post O xeque-mate de Xi Jinping em Vladimir Putin se aproxima apareceu primeiro em A Referência.

Read More